Você sabia que é possível turbinar a sua produção de conteúdo utilizando os elementos da neurociência? Pode parecer que este assunto não está tão relacionado ao marketing, mas é exatamente o contrário.

A neurociência, responsável pelo estudo do comportamento humano, é uma poderosa ferramenta para criação de conteúdos de valor – tão importantes nas estratégias de marketing de conteúdo.

Se você começou a produzir conteúdo para sua campanha e gostaria de compreender melhor como vender com neurociência, acompanhe as informações que compartilhamos a seguir.

Boa leitura!

O que é a neurociência aplicada ao marketing?

A neurociência quando utilizada em processos e estratégias de marketing é chamada de neuromarketing. O neuromarketing nada mais é do que um conjunto de estudos que avaliam o comportamento do consumidor quando submetidos a publicidade de determinados produtos ou serviços.

Ao compreender como a mente se comporta, faz suas escolhas e decide, é possível influenciar positivamente o consumidor para que ele consuma o que é proposto, de forma natural e inconsciente.

“Mas você disse inconsciente?” Sim! Estudos sobre neurociência mostram que mais de 95% de todas as decisões relacionadas a compra são realizadas a partir do cérebro irracional.

Mas o que é o cérebro irracional? É a parte do cérebro estimulada pelos prazeres, emoções e desejos. Neste âmbito, o cérebro não reconhece números, quantidades ou palavras.

Esta, então, é a exemplificação clara das compras por impulso. Quantas vezes, mesmo com o valor acima do comum, você já não comprou determinado produto, apenas para satisfazer suas emoções?

Partindo deste princípio, cabe aos vendedores e produtores aprenderem como vender com neurociência, compreender o pensamento dos seus clientes e criar conteúdos relevantes e que despertem emoções.

Os grandes atrativos da neurociência para vendas

A neurociência é efetivamente poderosa para o seu negócio. Isso porque ela trata especialmente do comportamento e das emoções do consumidor

Logo, se você sabe exatamente como o cliente se comporta perante determinadas situações, fica mais simples criar estratégias direcionadas para o estímulo desses comportamentos.

Outro ponto crucial do uso da neurociência nos conteúdos é o possibilidade de criar soluções dedicadas exclusivamentes às expectativas da persona.

Se você compreender o que o cliente espera do produto ou serviço, o processo de desenvolvimento de novas soluções é mais assertivo. Afinal, você saberá o que está aguardando. Ao oferecer o que o cliente deseja, aumenta-se o nível de influência para que ele efetive a compra!

Desvendando a criação da expectativa positiva através do uso da neurociência para vendas, até mesmo a experiência final do consumidor pode ser otimizada.

Através da análise de seus conteúdos e das reações propostas é possível entender, por exemplo, se a sua audiência recebe com mais positividade materiais gráficos, como infográficos, ou textuais, como e-books e blog posts.

Com as informações em mãos, é possível delinear uma estratégia de marketing que entregue o que consumidor mais consome.

Como utilizar a neurociência no marketing?

Aplicando técnicas de storytelling

Usualmente, os consumidores tendem a se identificar e se envolver com histórias atrativas e emocionantes. E o storytelling, técnica de escrita baseada no estímulo de emoções, é uma importante ferramenta para a criação de conteúdos que emocionam e, principalmente, vendem.

Relacionada ao comportamento emocional do ser humano, a prática do storytelling consiste na criação de uma história, verídica ou fictícia, capaz de envolver o leitor, atrair sua atenção e estimulá-lo a realizar uma ação – que, frequentemente, resume-se à venda de determinado produto ou serviço.

Utilizar o storytelling como ferramenta de neurociência aplicada ao marketing não é um bicho de sete cabeças. Você deve considerar o uso da escrita emocional, em caráter mais impessoal e humano, incentivar a reflexão do leitor, tornando-o parte do contexto e suavizar o uso da linguagem comercial, uma vez que o foco aqui é se aproximar do leitor.

Utilizando gatilhos mentais

Todos os dias você é submetido a decisões que devem ser tomadas em caráter imediato. E, neste momento, existem dois cenários: aquelas decisões que são realizadas a partir de muito análise, e outras que cujas respostas são emitidas de forma automática.

Para estas que recebem respostas automáticas, o segredo está no uso de gatilhos mentais. Estes gatilhos são termos ou ações que determinam alguns comportamentos do consumidor, sempre focando decisões que sejam vantajosas para o vendedor.

Muitos destes gatilhos podem ser inseridos em seus conteúdos, a fim de levar o leitor a decisão final, seja o download de um e-book, inscrição em um formulário, compra de um produto, dentre outros.

Alguns exemplos de gatilhos que podem ser utilizados em seus materiais de marketing: participação em workshops online com vagas limitadas, compra de produtos que oferecem e-books e vídeos extras como ‘’bônus’’ e venda de infoprodutos com desconto para os 100 primeiros compradores.

Seguindo a psicologia das cores

A psicologia das cores é um dos elementos propostos pela neurociência aplicada ao marketing, principalmente por ser utilizado pelos gigantes do varejo.Entende-se que as cores são capazes de impactar emocionalmente o público, além de referenciar a empresa no mercado.

Para cada cor, há um sentido que pode ser aguçado. No entanto, é preciso atentar-se às vastas possibilidades de percepção: apesar de categóricas, nem sempre o que está previsto é o que realmente acontece. Mas sabe-se que as reações são quase sempre as esperadas.

O amarelo, por exemplo, é relacionado ao aumento do apetite. Neste cenário, é uma cor recomendada para negócios da área de alimentação, já que elevam o consumo de alimentos no estabelecimento.

Já a cor branca, também no uso da neurociência, remete-se a limpeza e transparência. Sendo assim, é uma boa pedida para negócios da área da saúde e bem-estar. Junto ao branco, é possível apostar na cor verde, que oferece estímulos relacionados a tranquilidade e serenidade.

É interessante frisar que o processo de vendas está totalmente ligado aos sentimentos emocionais. Sendo assim, aprender como utilizar a neurociência no marketing pode lhe auxiliar no desenvolvimento de conteúdos bem direcionados, que afloram as emoções do leitor e o aproximam da sua marca.

Você precisa atrair para influenciar emocionalmente e, consequentemente, vender.

Gostou do artigo? Deseja receber outros materiais com informações valiosas para sua vida pessoal e profissional? Continue acompanhando os conteúdos do portal!