Os hábitos comportamentais passam por constantes mudanças. Por exemplo, durante a pandemia do covid-19, houve uma aceleração digital nos métodos de consumo. Assim, as mudanças no mercado exigem adaptação das empresas à nova realidade — o que pode ocorrer pelo rebranding.

Esse conceito possibilita que a marca evolua e passe pelas transformações sem grandes dificuldades. Afinal, mudar nem sempre é fácil — e existe o risco de os consumidores não aprovarem as inovações. No entanto, contar com estratégias para o reposicionamento da marca pode evitar esse problema.

Você quer saber mais sobre o rebranding? Continue a leitura e tire as suas principais dúvidas sobre a temática!

O que é rebranding?

Como vimos, o rebranding reposiciona uma empresa no mercado, conforme as novas demandas de consumo. Para isso, é possível reformular um ou mais elementos que os consumidores associam à marca. Desse modo, podem ser construídos componentes mais coerentes para o momento do mercado.

Vale destacar que esses elementos associados formam a personalidade da marca. Então, tal qual um ser humano, é natural que ela passe por diferentes fases. Cada uma delas tende a refletir as condições vigentes no mundo e as escolhas feitas por uma empresa.

Por exemplo, podemos dizer que o Mercado Livre teve uma fase antes e outra depois da pandemia do covid-19. Anteriormente, o seu logotipo correspondia a um aperto de mãos. Esse é um símbolo comumente associado ao ato de fazer negócios, que faz parte do objetivo da marca.

Com a pandemia de 2020, a logo da marca virou um cumprimento de cotovelos, marcando o distanciamento social. E o reposicionamento da empresa não foi apenas nos elementos visuais. Ela também criou campanhas para incentivar o consumo consciente naquele momento.

Conforme você reparou no case do Mercado Livre, é possível envolver mais de um elemento da instituição no rebranding. Esses itens podem ser, por exemplo, aspectos visuais, valores e propósitos da empresa e experiências proporcionadas ao consumidor.

Como funciona o processo de rebranding?

Você já descobriu o que é rebranding e quais são os recursos envolvidos nisso. Agora é o momento de entender o seu funcionamento.

Acompanhe os passos a seguir!

Necessidade de mudança

O passo inicial do rebranding é o sentimento de que uma mudança precisa ser feita no negócio. Em seguida, é preciso transformar essa sensação em uma estratégia mais concreta e embasada.

Diagnósticos

O embasamento ocorre a partir de diagnósticos completos do mercado de atuação. Desse modo, é possível responder alguns questionamentos úteis. Por exemplo, o que os consumidores buscam, o que a concorrência oferece, qual incoerência existe no seu negócio etc.

Coleta de dados

Para encontrar essas respostas e obter insights relevantes, é preciso aplicar métodos específicos. Coletar feedback — internos e externos — e realizar um brainstorm estão entre as principais possibilidades. Além disso, é necessário avaliar a concorrência e aspectos econômicos, sociais e culturais do mundo.

Assim, a sua análise se torna mais completa para definir o reposicionamento. Então fica mais fácil ter assertividade e entender quais elementos podem ser mantidos e quais devem ser modificados na empresa.

Conscientização da equipe

Todos os membros da empresa precisam saber das mudanças propostas. Isso porque em alguns casos também é necessário reformular a cultura organizacional. Logo, a reformulação afeta diretamente os colaboradores.

A recomendação é que o processo de conscientização ocorra de modo gradativo. Isso ajuda a equipe a se sentir mais segura durante a transição — e as inovações podem ser implementadas com sucesso.

Quando é necessário fazer o rebranding?

É importante que o rebranding ocorra aos poucos, para facilitar a adaptação da empresa. Porém, não existem regras quanto ao momento que esse conceito deve ser aplicado. Na prática, a decisão dependerá dos resultados da análise feita pela gestão.

Ou seja, não é preciso completar determinado tempo de existência no mercado ou esperar casos extremos, como uma pandemia, para o rebranding ocorrer. Ainda assim, existem situações específicas nas quais o conceito é recomendado.

Confira algumas possibilidades!

Mudança de nicho ou público-alvo

Mudanças do nicho ou do público-alvo da empresa são bastante profundas. Por isso, é importante trazer elementos de identificação para a audiência. Com o rebranding, você tem mais chances de alcançar a fidelização, qualificação e segmentação no novo nicho.

Reformulação dos valores

É natural que uma empresa ou seu público-alvo não pensem da mesma maneira para sempre. Logo, para se manter coerente e alinhada com os valores atuais, o rebranding pode ser aplicado. Foi o que já fizeram marcas como a Skol, McDonald’s, Globo e outras.

Risco de falência

Empresas que não acompanham a evolução do mercado se tornam mais propensas à falência. Então, para evitar esse tipo de problema, uma solução é entender a percepção do consumidor e reformular a marca com um rebranding a partir dessas informações.

Crise de imagem

Em certos momentos, é possível que a sua corporação seja associada a elementos negativos. Para sair desse cenário, existem algumas estratégias de rebranding que podem ajudar. É o caso da humanização da marca, desenvolvimento de um novo plano de comunicação e muitas outras.

Como fazer o rebranding no seu negócio?

Ao saber em quais situações o rebranding é mais indicado, é o momento de entender como aplicá-lo em seu negócio. Por isso, confira alguns cuidados fundamentais ao adotar a estratégia!

Tenha estratégia e objetivos bem definidos

É fundamental entender o que a marca representa e o que o seu público-alvo ou persona deseja. Com base nessas respostas, é possível traçar estratégias e objetivos para o rebranding.

Trabalhe a identidade visual

O reposicionamento de uma companhia pode ser notado inicialmente pela reformulação de um logotipo. Logo, se você quiser fazer com que a audiência perceba o rebranding, trabalhe a identidade visual adequadamente.

Destaque a sua marca em canais de comunicação

Existem canais de comunicação que são mais relevantes para o seu público do que outros. Por isso, identifique quais deles são os mais adequados para divulgar o rebranding. Desse modo, você consegue possibilitar um maior destaque para a ação.

Monitore a reação do público

Não deixe de definir métricas úteis para monitorar a repercussão do seu reposicionamento. Isso pode ser observado pela taxa de compartilhamento, taxa de cliques, menções nas redes sociais e outros recursos que mostram o envolvimento das pessoas com a marca.

Como você viu, ao implementar estratégias adequadas de rebranding é viável aproveitar muitos benefícios no negócio. Entre eles, a fidelização, atração e qualificação do público. Afinal, a marca se mostra disposta a se atualizar diante das novas demandas, trazendo impactos positivos para a sua imagem.

O nosso post foi útil para você? Continue aprendendo sobre o assunto e confira também o que é público-alvo e qual a sua importância!