Desde que somos apenas crianças, aprendemos a lidar com o dinheiro e a reconhecer o seu valor. Lembra da mesada? Ela nada mais era do que uma forma de seus pais transmitirem para você alguns conhecimentos sobre controle financeiro.

Quem gasta demais tem de menos, certo? E não é só na vida pessoal que isso ocorre. Empresas que não executam uma gestão financeira de qualidade tem grandes chances de enfrentar problemas feios, seja com os bancos ou com a Receita Federal ou até mesmo com parceiros de fornecimento.

Em pequenas empresas, o controle e planejamento financeiro é ainda mais importante, já que essas instituições possuem menos capital e costumam trabalhar com seus orçamentos de forma mais limitada.

A falta de gestão das finanças em um empreendimento de pequeno porte pode determinar o fim das atividades, por isso, é fundamental saber como executar uma boa gestão financeira. Confira abaixo algumas informações sobre o tema. Boa leitura!

O que é a gestão financeira para pequenas empresas?

O gerenciamento financeiro é uma prática empresarial que visa reduzir os custos e fazer com que um empreendimento opere de maneira positiva quando o assunto são as finanças, isso significa ter controle sobre o fluxo de caixa, os pagamentos, as vendas e todos os outros aspectos que geram ou consomem a receita obtida pelas atividades corporativas.

Para executar a gestão financeira em pequenas empresas, é preciso ter em mente fatores importantes. Confira abaixo quais são eles!

1. Noções de educação financeira

Educação financeira é um termo muito relacionado às finanças pessoais, contudo, se aplica também à realidade empresarial.

Basicamente, a educação financeira é um conjunto de informações que servem para que uma pessoa/empresário compreenda o valor do dinheiro, suas aplicações e as formas mais coerentes de usar as verbas disponíveis, evitando assim gastos superiores ao faturamento ou comprometimento de grandes parcelas do dinheiro movimentado mensalmente.

2. Separação entre finanças pessoais e empresariais

Um dos grandes erros na gestão financeira para pequenas empresas está na mistura dos recursos financeiros do empreendedor e do empreendimento. Mesmo que você seja um empresário individual, é essencial separar as duas estações.

Para isso, será necessário abrir uma conta de pessoa jurídica. Não se trata de nada muito complicado, porém, para isso, é necessário ter um CNPJ estabelecido. Uma conta de pessoa jurídica também é importante para obter empréstimos, financiamentos e melhores condições para pagamento, seja para um empréstimo ou saldamento de dívidas.

3. Controle total de receitas e despesas

Gestão financeira demanda inteligência e domínio das informações mais importantes sobre as finanças empresariais. E o que é mais importante do que saber as entradas e saídas de dinheiro, não é mesmo?

Uma empresa pequena precisa ter em mãos todos os gastos e receitas para dominar o controle financeiro e ter mais inteligência em suas ações.

4. Administração dos canais de recebimento

Sua empresa usa maquininhas cartão de crédito? Emite boletos para pagamento? Permite depósito em conta?

Todas essas informações precisam estar sob controle dos gestores para executar uma análise completa das finanças. Quando se trata das máquinas de cartão, é preciso saber quando são feitas as compensações e quais são as taxas de uso de cada bandeira.

Com a chegada de novas formas de pagamento, como Samsung Pay, Paypal e Google Wallet, é preciso ficar atento às demandas do mercado e incluir essas soluções de pagamento em seu controle.

5. Acompanhamento constante do fluxo de caixa

Qual a frequência de acompanhamento de fluxo de caixa na sua empresa? Empresas de pequeno porte que desejam estabelecer um bom controle financeiro precisam analisar as entradas e saídas com constância para ter base na hora de tomar decisões importantes relacionadas às finanças.

6. Gerenciamento inteligente das compras

Toda empresa precisa comprar alguma coisa, seja um equipamento, matéria-prima ou mercadorias para revenda. Comprar significa gastar dinheiro, por isso, o ideal é que a agenda de compras e reposição seja alinhada com momentos em que o fluxo de caixa é favorável para tal operação.

Empresas que não fazem um controle coerente de suas compras tendem a perder a visão total sobre a situação financeira da empresa. Além disso, comprar sem regras pode fazer sua empresa cair na “lábia dos vendedores” e adquirir produtos a mais.

Seja assertivo nas compras, dimensione as quantidades exatas e gaste somente aquilo que realmente é necessário.

7. Muita atenção com a contabilidade

O pagamento de impostos e os procedimentos contábeis são processos burocráticos, chatos e, muitas vezes complexos. Infelizmente, eles são muito necessários para o controle financeiro.

Desde a abertura da empresa e escolha do regime tributário, é essencial manter atenção constante sobre as questões contábeis. Se sua empresa dispõe de capital, vale a pena contar com assessoria contábil para executar essas demandas e auxiliar no controle financeiro.

8. Aposte na tecnologia

Quando o assunto é matemática, cálculos e compilação de dados, é preciso admitir que as máquinas trabalham melhor do que nós. Isso significa que a tecnologia pode ser um ótimo auxiliador dos seus resultados e das dinâmicas de controle financeiro.

Mesmo se tratando de uma empresa de pequeno porte, não deixe de ponderar o investimento em soluções tecnológicas como sistemas contábeis e ERPs para otimizar a gestão e dar mais estratégia para suas ações.

9. Analise todos os gastos e corte o que for supérfluo

Você sabia que uma simples troca de lâmpadas fluorescentes por lâmpadas de LED trazem uma economia e tanto para sua empresa?

Pequenas mudanças podem surtir efeitos positivos a curto e longo prazo, por isso, tenha um controle total sobre esse tipo de gasto (energia, consumo de água, uso de gás, etc). Existem formas de atenuar essas despesas e, com isso, otimizar o fluxo de caixa garantindo mais recursos.

Pode parecer algo irrisório, mas olhar para o que é supérfluo e refletir bem sobre a necessidade de certos gastos é o caminho para ter ainda mais controle sobre suas finanças.

A soma desses nove procedimentos contribui para o controle financeiro nas pequenas empresas. Lembre-se que a estratégia empresarial não resume apenas aos meios de atrair clientes, mas também nas formas de fazer com que as operações estejam sempre no azul, afastando problemas financeiros que podem gerar muitos problemas para seu empreendimento.

E você? O que faz para controlar as finanças da sua empresa? Deixe seu comentário e compartilhe suas experiências e técnicas para gerenciar as finanças do seu empreendimento!