Adapte-se ou morra. A afirmação é forte, mas capta perfeitamente o espírito que impulsiona startups e fintechs. Em comum, empreendedores de ambos os negócios têm a busca por inovação proveniente de novidades oferecidas pelas tecnologias digitais.

Se você é dono de uma startup, já sabe que há todo tipo de trabalho que precisa ser feito. Do gerenciamento de projetos e expectativas de funcionários à gestão financeira, não há fim para a lista de tarefas, especialmente porque nesse modelo de negócio tudo costuma acontecer em ritmo acelerado.

Somado a isso, essas empresas possuem uma competição acirrada, o que faz com que a gestão em startups tenha que se adequar a esse cenário. Mas, como isso é possível?

Para encontrar a resposta, confira alguns pontos importantes sobre a gestão de negócios em empresas que, normalmente, possuem um componente tecnológico essencial, como startups e fintechs.

Importância da gestão em startups

É por meio de uma boa gestão que todas as empresas – e isso vale para startups – criam meios de alcançar os objetivos organizacionais, uma vez que conseguem planejar-se adequadamente.

A diferença entre startups e fintechs para outros tipos de organizações é que empresas convencionais tendem a ter um tempo muito maior para conceber um produto. Dessa maneira, há um certo espaço para que erros possam ser cometidos e corrigidos.

Com startups isso não acontece, o que torna sua gestão ainda mais diferenciada. Esses modelos de negócios trabalham com o produto minimamente viável (MVP), o qual não espera um produto perfeito para comercialização (startups não têm tempo nem dinheiro para aguardar meses antes de colocar no mercado seu portfólio de produtos e serviços).

No MVP, startups comercializam produtos que vão se adaptando conforme feedback dos clientes e em ciclos contínuos de aprendizagem. Isso faz com que tomadas de decisão ocorram de maneira acelerada, o que, logicamente, interfere em como a gestão deve ser realizada.

Não podemos esquecer de citar as equipes enxutas, outra característica que deve ser levada em consideração quando tratamos de gestão em startups. Com um número reduzido de profissionais, esse tipo de modelo de negócio precisa adotar estratégias que incentivem a alta performance.

Estratégias de gestão em startups

Sabemos que startups são modelos diferentes de negócio. Então, quais estratégias de gestão podemos utilizar para alavancar resultados? Confira a seguir nossas dicas:

1. Tenha um plano de negócios

Um plano de negócios não é apenas uma etapa antes de abrir uma empresa. Ele serve também para que gestores consigam enxergar a startup como um negócio em crescimento.

Isso porque no plano estão definidos itens como: estratégia e como ela será executada; avaliação de mercado; descrição de detalhes de produtos/serviços; detalhes de vendas e marketing; análise competitiva; detalhes de operações/fabricação; organização corporativa e recursos humanos; projeções financeiras; riscos, investimentos e fontes relevantes de informação e pesquisa.

Um plano de negócios aborda todos os ângulos importantes de uma empresa, algo que contribuirá para direcionar a gestão da startup.

2. Conte com uma equipe engajada

Os resultados de qualquer empresa são conquistados pelas pessoas que fazem parte dela. Como a equipe é liderada e o quão boa ela é, é essencial para o sucesso da startup.

Por mais óbvio que isso pareça, reforçamos o engajamento da equipe justamente porque, como comentado, startups possuem times enxutos. Normalmente, exige-se que seus colaboradores tenham uma visão mais criativa, foco e paixão pela empresa para que possam trabalhar ainda mais unidos e serem mais produtivos.

Para gerenciar uma startup é igualmente indispensável contar com pessoas que vistam a camisa e tenham facilidade em se adaptar às mudanças (afinal, nesse modelo de negócio as mudanças são constantes).

3. Utilize métodos ágeis

Já que agilidade é a palavra da vez quando falamos em gestão de startups, logicamente você precisa adotar métodos ágeis em seu negócio.

O método ágil tem origem no Manifesto Ágil, o qual tem como mandamentos:

  • Indivíduos e iterações mais que processos e ferramentas (processos e ferramentas são importantes, mas o que vale mais é a qualidade da interação entre as pessoas);
  • Software em funcionamento mais que documentação abrangente (clientes querem resultado, ou seja, querem ver o produto funcionando);
  • Colaboração com o cliente mais que negociação de contratos (startups devem trabalhar em conjunto com o cliente em um processo de colaboração);
  • Responder a mudanças mais que seguir um plano (startups não têm tempo a perder com planos extensos e cheios de premissas).

Dos métodos ágeis conhecidos no mercado, destacamos o Kanban e o Scrum:

  • Kanban é uma ferramenta visual para acompanhamento do fluxo de trabalho. Ele baseia-se em um quadro dividido em três colunas (pendente, em execução e concluído). Em cada coluna são listadas as atividades, facilitando o entendimento de todos sobre como anda um projeto. O Kanban é uma ferramenta muito utilizada para colaboração de equipes enxutas.
  • Scrum é um framework para projetos e produtos de alta complexidade. O método segue a linha iterativa e incremental e oferece uma estrutura eficiente para entregas. A base do Scrum está nos ciclos (chamados de Sprints) dos projetos. Os ciclos acontecem de forma dinâmica e rápida, o que acelera a entrega.

4. Não tire o olho da gestão financeira

Sem dúvidas, a gestão financeira das startups é um grande desafio, especialmente porque esse tipo de empresa é cercado de muita imprevisibilidade. Por essa razão, o empreendedor deve estar preparado para os constantes altos e baixos no caixa da sua organização.

Algumas questões a serem observadas de perto:

  • Capital de giro;
  • Fluxo de caixa;
  • Balanço patrimonial e Demonstrativo de Resultado de Exercício (DRE);
  • KPIs financeiros (como faturamento, rentabilidade e lucratividade).

Conclusão

A gestão em startups é tão importante quanto a gestão de qualquer outro tipo de modelo de empresa. O ponto de diferenciação é que por serem modelos de negócio mais enxutos e que lidam com mais imprevisibilidade, empreendedores de startups precisam conseguir adaptar-se rapidamente às mudanças de mercado.

Esperamos que este artigo lhe ajude a melhor gerir sua startup. Caso precise de dicas sobre ferramentas de gestão empresarial, recomendamos quatro opções neste artigo.