O termo “empatia” ganhou importância na atualidade. Com a transformação digital e a ampliação do acesso à internet, os consumidores passaram a se expor mais e mais às propagandas, promessas de produtos e serviços e, é claro, uns aos outros. Para driblar o excesso de informação que chega aos clientes, o mapa de empatia pode ser um bom aliado.

Contudo, para usá-lo da maneira mais eficiente possível, é preciso saber do que ele se trata, quais benefícios traz ao negócio e como aprimorar a experiência do usuário por meio dele. Neste conteúdo, o assunto será abordado!

Portanto, caso deseje otimizar os resultados das soluções que leva ao mercado, não deixe de continuar a ler este artigo!

O que é o mapa de empatia?

O mapa de empatia foi criado por Dave Gray. Ele é fundador da XPLANE, uma consultoria de design. Ao produzir a ferramenta, sua intenção inicial era complementar a metodologia de negócios Canvas.

O Canvas ajuda empreendedores a organizarem e visualizarem seus processos de vendas. Contudo, com o passar do tempo, Gray percebeu que a ideia poderia ir além. Hoje, o mapa de empatia pode ser definido como uma ferramenta capaz de ajudar os membros das equipes a compreenderem seus públicos-alvo e personas de maneira profunda.

Esse é um ponto extremamente importante para o marketing digital. Afinal, atualmente, a cultura customer centric é o foco principal de negócios de todos os segmentos. Ou seja, as empresas tem seguido uma ideia que coloca o cliente no centro das estratégias.

Fazer isso aprimora, de maneira direta, a experiência do usuário. Essa é uma prática diferencial atualmente, considerando as preferências dos consumidores. As pessoas estão em busca de serviços que são eficientes e ainda tornam sua jornada de compra inesquecível.

Para que serve o mapa de empatia?

Agora que você sabe o que é e quem criou o mapa de empatia, é interessante compreender sua função em um negócio. De maneira geral, a ferramenta ajuda os colaboradores e gestores a entender as necessidades de seus clientes. Logo, é possível entregar produtos e serviços que supram suas necessidades.

Entretanto, mesmo que seja comumente usado na hora de criar as soluções perfeitas para seu público-alvo, o mapa não se resume a isso. Ele também pode ajudar na criação de verdadeiras propostas de valor para o mercado.

Ou seja, o mapa de empatia não ajuda somente os gestores e suas equipes a alinharem suas soluções às dores da persona. Ele pode ir além, aprimorando a fidelização e retenção dos consumidores e demonstrando a eles os valores do negócio na prática.

Quais os benefícios do mapa de empatia?

Que tal saber como o mapa de empatia pode impactar seu negócio? Conheça as vantagens que ele promove. As principais delas são:

  • facilita o desenvolvimento do produto ou serviço;
  • ampara a criação de propostas de valor;
  • vai além dos métodos tradicionais de pesquisa de público-alvo;
  • aprofunda a análise e o entendimento das dores da persona;
  • descreve com precisão as possíveis reações dos consumidores;
  • ilustra o produto ideal para o mercado;
  • organiza as ideias etc.

Os benefícios do mapa de empatia são muito atrativos. Eles aumentam as chances de que suas soluções sejam efetivas ao consumidor. Consequentemente, melhora o relacionamento entre as marcas e os clientes, traz estabilidade ao negócio e maximiza os lucros.

Como elaborar um mapa de empatia na empresa a partir de 5 passos?

Ao conhecer os elementos acima, é hora de aproveitá-los. Para isso, é importante saber como elaborar um mapa de empatia.

Confira algumas sugestões de passos que ajudam nesse sentido!

1.      Analise os estímulos visuais

Com a rapidez do universo digital, não é incomum que os consumidores acessem dezenas de informações por minuto. Desse modo, para fazer com que seu produto se destaque, é interessante pensar em bons estímulos visuais.

Eles devem chamar a atenção do cliente, demonstrando da forma mais direta possível que ele pode ser útil. Para isso, tente usar a empatia de fato. Busque compreender como é o universo em que sua persona está inserida.

Ou seja, entenda como ela vê o mundo e saiba quais são os acontecimentos mais comuns de seu cotidiano. Assim, as chances de incluir diferenciais em suas soluções — e driblar a concorrência — aumentam.

2.      Entenda as influências da persona

O marketing de influência ganha cada vez mais espaço no universo do marketing. Ainda que ele não seja o foco do mapa de empatia, pode trazer algumas lições à sua elaboração. A primeira delas é que os ídolos, influencers, ideias e opiniões de seus consumidores importam.

O cliente da atualidade buscam mais do que produtos. Eles desejam comprar de empresas alinhadas aos seus valores. Assim, antes de entregar um produto ou serviço ao mercado, certifique-se de que ele transpareça as crenças dos consumidores. Nesse momento, uma boa estratégia é buscar entender quem os influenciam.

3.      Conheça as preocupações do cliente

O que realmente importa para seu consumidor? Para alguns, será a sustentabilidade. No caso de outros, será o preço. Ao entender quais são os pilares que levam seu público a consumir, será mais simples entregar a eles o que precisam.

Uma analogia interessante é a do feirante que leva produtos orgânicos ao consumidor, mas os embala em plástico. Caso esteja lidando com pessoas em busca de hábitos mais sustentáveis, essa pode ser uma má ideia — independentemente da qualidade do serviço.

4.      Compreenda o propósito da solução

Com tantas coisas a serem analisadas, pode ser fácil esquecer o verdadeiro propósito do produto. Isso pode fazer com que você entregue um item esteticamente agradável, alinhado e condizente com o que o consumidor acredita, mas que não serve ao propósito para o qual foi comprado. Evite esse erro e busque garantir a eficiência da solução.

5.      Mitigue obstáculos

O mapa de empatia, conforme o nome indica, se preocupa com a realidade das personas. Assim, é imprescindível que os consumidores possam ter acesso ao produto ofertado.

Desse modo, pense em possíveis obstáculos que impediriam o cliente de fechar a compra em função de sua realidade. Pode ser o preço, o frete, as formas de pagamento etc. Seja qual for o obstáculo, é interessante mitigá-lo, alinhando os serviços às dores da persona.

Neste post, você viu o que é mapa de empatia e qual sua função. Com esses 5 passos em mente, tende a ser mais fácil usar a ferramenta ao seu favor. Leve as dicas do artigo em consideração para criar o seu mapa!

E se você busca entender como potencializar os resultados de suas campanhas digitais, saiba como o marketing de performance pode lhe ajudar!