O marketing de conteúdo é uma das estratégias mais utilizadas pelas empresas para executar ações de:

  1. Atração de novas oportunidades de negócios;
  2. Retenção e relacionamento com clientes;
  3. Geração de autoridade;
  4. Posicionamento de marca junto ao mercado consumidor.

Existem diversos produtos que podem ser produzidos para gerar esses efeitos, tais como blog posts, postagens em redes sociais, e-books e infográficos. E ainda podemos juntar aqui um veterano da internet, que já foi muito criticado e desacreditado, mas sempre traz resultado: o e-mail.

Os e-mails e o inbound marketing

Sim, após passar algum tempo na berlinda do marketing devido a anos seguidos de uso indevido e irresponsável por parte de algumas instituições, o e-mail “renasceu” pelas mãos do inbound marketing. E se tornou uma poderosa ferramenta de comunicação e conversão;

E, para que os e-mail executem suas missões com primor, é preciso ter em mente que a redação de qualidade é ponto essencial. Aqui é onde entra o copywriting e suas técnicas de persuasão.

Quer saber quais são as mais adequadas para os e-mails? Então fique de olho na lista abaixo. Boa leitura!

Conceito rápido: o que é copywriting?

Antes de entrarmos na explicação e uso das técnicas de copywriting, vamos fazer uma definição rápida do termo.

Para quem não sabe, copywriting é o termo utilizado para designar as estratégias de produção de conteúdos cuja finalidade é executar a persuasão no leitor, conduzindo-o para a conversão.

O texto feito pelo copywriter possui técnicas e gatilhos para despertar o interesse, por isso sua aplicação é tão vasta no marketing de conteúdo. Contudo, engana-se quem pensa que o termo é novo.

Ele é utilizado desde o século 19! Porém, naquela época, seu uso era direcionado para os redatores de publicidade.

Somente com o avanço do marketing digital e aplicação massiva do inbound marketing o é que o copywriter se tornou sinônimo de profissional que trabalha na execução de conteúdos.

Técnicas de copywriting para seus e-mails

Agora, é hora de listar algumas das técnicas utilizadas pelos melhores copywriters para obter boas conversões e reter a atenção do público alvo por meio da comunicação por e-mail.

Assuntos atraentes

Bom, se a missão é converter e gerar leads, é essencial que as pessoas abram o e-mail recebido, certo?

E a primeira etapa para obter sucesso em uma campanha de e-mail é desenvolver um título (na verdade um assunto para o e-mail) que seja bem atraente.

Muitos especialistas em comunicação e marketing digital afirmam que um e-mail nasce pronto para o fracasso quando não é dotado de um bom assunto. Isso faz todo o sentido. Afinal, as pessoas costumam receber muitos e-mails todos os dias, a maioria deles é spam ou mensagens desinteressantes.

Devido ao fluxo de mensagens dispensáveis, muitas pessoas se tornam muito críticas com e-mail, abrindo somente as mensagens de remetentes de confiança ou que possuem um ótimo gatilho – que, neste caso, é o título.

Caprichar na escolha do título (mas sem exagerar ou criar um assunto totalmente fora do contexto) é fundamental para obter um bom índice de conversão. Veja abaixo uma pequena lista de dicas para escrever um bom título para o e-mail:

  1. Não utilize mais do que 65 caracteres;
  2. Tente escrever, no máximo, 6 palavras no título;
  3. Desperte a curiosidade utilizando perguntas;
  4. Fale diretamente com o leitor, utilize o pronome você;
  5. Se possível, utilize números no início;
  6. Use adjetivos chamativos (incrível, fantástico, inusitado, inovador, etc);
  7. Utilize dados (ex: 10 estratégias que geraram 100 mil leads);
  8. Use a fórmula clássica (título + adjetivo + palavra-chave + benefício).

Texto com leitura ritmada e assunto escaneável

As pessoas lêem seus e-mails com muita rapidez e, em alguns casos, até com baixo nível de atenção. Para evitar que o leitor perca partes importantes da mensagem, umas das técnicas de copywriting aplicadas aqui envolve a escaneabilidade do texto.

Isso significa estruturar a mensagem de forma a facilitar a captação do assunto e dos principais pontos de atenção. Para isso, o redator pode se valer de recursos como:

  1. Títulos e subtítulos para dividir o texto;
  2. Parágrafos e períodos curtos;
  3. Negrito para destacar as palavras e termos mais importantes;
  4. Palavras-chave;
  5. Bullet points.

Ao “quebrar o texto” em blocos e estruturar as informações com os recursos listados acima, até mesmo o leitor que consome seu e-mail de forma desatenta vai conseguir captar a mensagem. E, caso haja o interesse, é bem provável que ele retorne e faça a leitura com mais atenção.

Cuidado na escolha das palavras e da linguagem

O e-mail precisa ser alinhado com o público-alvo. Não vai adiantar nada mandar um e-mail cheio de formalidades se a sua audiência é composta por jovens universitários, por exemplo.

O ideal é manter uma linguagem condizente com o público, sempre dando preferência para palavras e expressões simples. Ninguém quer ler um e-mail e parar para consultar o dicionário. Então, nada de usar “vocábulos deveras complexos”. Ou melhor, nada de usar palavras complicadas!

Seja preciso ao criar o call to action

CTA é essencial no copywriting. Para quem não sabe, o call to action é o momento no qual o conteúdo convida o público para uma ação de conversão. Pode ser um comentário no post, assinar a newsletter, falar com a equipe, receber um orçamento e muito mais.

E, se a missão é converter, nada mais importante do que criar um CTA poderoso. Para isso, seja bastante criativo e não se esqueça de “provocar” a audiência, ou seja, conduzir o CTA de forma atrativa e convidativa o suficiente para que o público execute a ação de conversão.

E não se esqueça de dar destaque ao CTA. A estrutura das mensagens por e-mail permite o uso de recursos de atração simples e efetivos, como um botão ou um box de texto. Então, nada de colocar o CTA com letras pequenas no fim do texto. Deixe-o bem claro e evidente na mensagem.

Essas cinco dicas são simples, porém muito efetivas. Técnicas de copywriting não envolvem nenhum tipo de mistério ou fórmula mágica de sucesso. Elas são focadas em entregar ao público informações simples e completas, tudo que o leitor precisa para tomar sua decisão e converter.

Todo mundo recebe muito e-mail e muitas empresas fazem disparos massivos de mensagens. E o que isso significa? Que todos nós temos experiência com e-mails que convertem e mensagens que naufragaram.

Então que tal contar um pouco mais sobre as experiências que você já vivenciou com e-mails corporativos? Deixe seu comentário e partilhe suas experiências pessoais e profissionais com e-mails que você recebeu ou mandou!