Sônia Hess é um exemplo de empreendedora para todos os brasileiros. Afinal, ela fez a camisaria da sua família – a Dudalina – ter uma marca forte no país.

Além de ser uma referência de empreendedorismo feminino, todos podem aprender lições valiosas com sua história e estratégias que utilizou para transformar a empresa em um verdadeiro império.

Por isso, acompanhe a leitura do artigo, conheça um pouco sobre Sônia Hess e entenda o surgimento e ascensão da Dudalina!

Quem é Sônia Hess?

Sônia Hess de Souza é uma empresária brasileira, vice-presidente do Grupo Mulheres do Brasil e ex-presidente da camisaria Dudalina. Ela nasceu em 1959 na cidade de Luiz Alves, em Santa Catarina.

Filha de Adelina e seu Duda, é a segunda mais velha entre 16 irmãos. Seus pais eram pequenos empreendedores e tinham um comércio local que vendia diversos produtos, desde roupas até alimentos a granel.

Hess vivia com seus pais até os 17 anos, quando decidiu sair de casa para estudar na Espanha. Quando regressou, foi viver em São Paulo, assumindo o comando da área de marketing da Dudalina.

Foi em 2003 que assumiu o comando da empresa da família. Suas habilidades e conhecimentos fizeram a companhia ter um crescimento anual de 30% desde 2009.

Em 2013, a revista americana Forbes elegeu Sônia Hess a sexta mulher de negócios mais poderosa do país.

Como a Dudalina foi fundada?

A Dudalina é uma empresa brasileira de confecção e distribuição de vestuário de alto padrão. Ela é muito conhecida principalmente pelas camisas sociais femininas, tendo também modelos diferenciados de blusas sociais masculinas.

Ela foi fundada em 1957 em Luiz Alves, cidade natal de Sônia. O nome da empresa é a junção dos nomes da fundadora – Adelina Clara Hess de Souza – e do marido, que era conhecido como “Duda”.

O empreendimento surgiu a partir de um mal-entendido de logística de Duda, que era o responsável por abastecer e cuidar do estoque do estabelecimento. Em uma viagem a São Paulo, acabou comprando mais tecido do que deveria.

Diante disso, Adelina resolveu transformar esse excesso de pano em camisas masculinas, de modo a não ficarem com prejuízos financeiros. As peças produzidas despertaram interesse, o que fez com que Duda e Adelina contratassem costureiras e abrissem uma pequena confecção.

Assim, perceberam uma oportunidade de expandir os negócios, resultando na aquisição de outras lojas conforme os anos.

Venda da Dudalina

Adelina faleceu em 2008. Nesse ano, a Dudalina já era considerada a maior camisaria do país. Com a morte da fundadora, Sônia, que estava no comando da empresa, resolveu cumprir a promessa feita a mãe para reunir a família. Depois desse fato, começaram a surgir rupturas e conflitos.

Nessa época, a Dudalina contava com 95 lojas e apresentava números atraentes. Depois de uma reunião com todos os irmãos, a empresa foi vendida em 2009. Apesar disso, Sônia foi mantida na presidência até 2015.

Em 2013, pouco mais de 72% do capital da organização foi vendido para os bancos de investimento Warburg Pincus e Advent International por R$650 milhões. No ano seguinte, a Dudalina se fundiu a Restoque, surgindo, assim, a maior varejista de roupas de alto padrão do Brasil.

Em 2016, a Dudalina foi eleita a quinta melhor companhia para trabalhar em Santa Catarina, conforme o Great Place to Work. Além disso, é a terceira rede de franquias mais internacionalizada do Brasil, conforme a Fundação Dom Cabral.

Atualmente, a rede conta com mais de 100 lojas em diversos países, como Itália, Suécia, Panamá, Equador, dentre outros. A empresa também comercializa suas peças para mais de 50 nações.

Como Sônia Hess fez da Dudalina um grande império?

A empresa que surgiu em 1957 cresceu de maneira inteligente sob o comando de Adelina e seu Duda, mas foi quando Sônia assumiu o comando que a Dudalina começou a apresentar resultados surpreendentes.

Hess demonstrou ter uma visão além do mercado para fortalecer a marca. Veja abaixo o que ela fez para que a Dudalina prosperasse!

Estudou o mercado

Sônia soube da importância de estudar o mercado. Assim, ela pôde conhecer as necessidades dos clientes e o que pode ou não arriscar para pôr em prática.

Dessa forma, ela percebeu que também deveria dar atenção ao público feminino. Antes, o principal objetivo era atingir o público masculino.

Além disso, conseguiu entender o gosto dos clientes para inovar nos looks e nas estampas das camisas. Houve também melhora nos maquinários para a produção das roupas. Essas mudanças despertaram o interesse de grandes lojas para fechar parcerias.

Buscou conhecimento

Desde cedo, Sônia percebeu que um negócio só se desenvolve com conhecimento. Assim, sempre estudou com foco em melhorar a empresa da família. Tanto que tinha apenas 17 anos quando foi para a Espanha estudar o setor de confecções. Como presidente da organização, ela também não parou de se aperfeiçoar.

Não teve medo de arriscar

Sônia trouxe tantos resultados positivos que, no último ano em que esteve na presidência, a Dudalina possuía quase 100 lojas, mais de 2500 funcionários e 6 fábricas, além de franquias em outros países.

Sua visão de crescimento e coragem para arriscar estratégias fez a marca ser a maior do país no setor.

Aqui estão três importantes lições de Hess para todo empreendedor: conheça a fundo o seu mercado e cliente, não tenha medo de arriscar e nunca pare de aprender.  Quanto mais conhecimento você tem, maiores as chances de sua ideia se concretizar e evoluir.

O que Sônia Hess faz atualmente?

Depois que saiu da presidência da Dudalina, Hess passou a atuar no terceiro setor. Além de vice-presidente do grupo Mulheres do Brasil, é também mentora do programa Winning Women Brasil, conselheira da Endeavor, jurada do prêmio Cartier Woman’s Initiative, presidente do Lide Mulher e mentora do programa IBGC para mulheres.

Atuou como conselheira do Instituto Ayrton Senna, membra do Conselho Curador da Fundação Dom Cabral e conselheira da PETZ e Warburg Pincus do Brasil. Ainda, é filantrópica e gosta de ajudar causas relacionadas aos direitos das mulheres, além de incentivar o empreendedorismo feminino no país.

Sônia Hess demonstrou que o sucesso no empreendedorismo depende de conhecimento, foco e determinação. A Dudalina tem uma história que começou simples, mas que alcançou força principalmente pela atuação dessa empreendedora. Portanto, siga o exemplo dela para fazer sua marca ser forte no mercado!

Que tal continuar no blog e ler sobre outros empreendedores para se inspirar? Então veja agora a história de Caito Maia, o criador da Chilli Beans!